POLICIAL

Exército investiga sequestro de seis militares em aldeia indígena de Guaíra

Segundo o comando aproximadamente 25 indígenas da aldeia TEKOHA JEVY ameaçaram os militares

Guaíra
INVESTIGAÇÃO | 24/11/2016 11h40

Exército investiga sequestro de seis militares em aldeia indígena de Guaíra (Foto: Agência Pública/Greenpeace/Isabel Harari )

O exército emitiu nota e anunciou que investiga o caso envolvendo seis soldados em Guaíra na última terça-feira (22), quando os militares foram feitos reféns por indígenas.

De acordo com o Comando da 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada, o caso ocorreu por volta das 17 horas, quando seis militares, do 17° Regimento Cavalaria Mecanizado, de Amambai, no Mato Grosso do Sul, realizavam o apoio técnico a um funcionário da empresa civil Embraer/Savis, na realização de testes do radar do Sisfron -Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras-, na vila Eletrosul em Guaíra.

Segundo o comando aproximadamente 25 indígenas da aldeia TEKOHA JEVY, "em atitude hostil, armados com facões, foices, flechas e machados, cercaram os referidos militares e o civil", a fim de questionar atos desencadeados pelos Órgãos de Segurança Pública do Paraná que apreenderam motocicletas, conduzidas por índios, com a documentação alterada durante a Operação Fronteira Sul. 

De acordo com o comando, os indígenas estavam agressivos e obrigaram os militares a seguirem até a aldeia TEKOHA JEVY com a finalidade de esclarecer o fato com cacique da aldeia. 

Os militares decidiram ir para "evitar um confronto" e esclarecer a situação. Porém, no local os soldados foram rendidos e liberados somente após negociações que envolveram as autoridades policiais e a Justiça local.

O Exército Brasileiro informou que será instaurado um Inquérito Policial Militar para apurar o crime de sequestro ou cárcere privado, previsto no artigo 225 do Código Penal Militar.

 

Com informações de CATVE


  


Comentários

ACESSAR SUA CONTA PARA COMENTAR    ou   CADASTRE-SE

Comente esta notícia

Ao enviar seu comentário você concorda com os Termos de Uso deste espaço.


 
Facebook Twitter WhatsApp