POLICIAL

Vizinhos de empresa de valores assaltada no Paraguai dizem ter vivido momentos de terror

Explosões danificaram parte da empresa e casas próximas. Na fuga, ladrões colocaram fogo em veículos para dispersar a polícia. Um policial foi morto


Violência | 24/04/2017 14h10

Explosões danificaram parte da empresa e casas próximas. Na fuga, ladrões colocaram fogo em veículos para dispersar a polícia. Um policial foi morto (Foto: G1 )

Vizinhos à transportadora de valores assaltada na madrugada desta segunda-feira (24) em Ciudad del Este, no Paraguai, disseram que viveram momentos de terror. Segundo a Polícia Nacional, foram cinco explosões para que o grupo de cerca de 50 ladrões tivesse acesso ao dinheiro. Outros cinco explosivos não detonados foram encontrados em alguns pontos da empresa Prosegur.

"Todas as detonações atingiram a minha casa. Eu e minha esposa estávamos sozinhos. Foram três horas destes momentos de terror", conta o transportador Alejandro Anisimoff ao descrever que a sensação era de que a casa iria desabar.

O imóvel ficou cheio de rachaduras, e estilhaços de vidros se espalharam por todos os espaços. Assustado, o casal de idosos disse ter se escondido debaixo da cama. “O perigo era grande. Fomos resgatados por uma de nossas filhas.”

Com a força das explosões, parte da marquise da empresa foi arremessada para o meio da rua. A sede da transportadora fica a quatro quilômetros da Ponte Internacional da Amizade.

Durante a fuga, os ladrões espalharam “miguelitos” – espécie de tachas de metal usadas para furar pneus de veículos – para impedir que fossem seguidos pela polícia e incendiaram ao menos 13 veículos. Eles também abandonaram cinco caminhonetes blindadas, todas com placas de SP.

O carro do metalúrgico Marcos Gehnes foi usado pelo grupo para impedir a passagem dos policiais por uma rua próxima à transportadora. Ele disse que teve o veículo roubado por volta da meia-noite.

"Eles só me falaram 'desce do carro e vaza daqui'. Estavam com armamento muito pesado", lembra.

Na ação, que teve início por volta da meia-noite e meia, horário paraguaio - 1h30, no horário de Brasília -, um policial que fazia segurança em frente à empresa foi morto. Por conta da troca de tiros outras quatro pessoas ficaram feridas.

Inicialmente, a Polícia Nacional informou que o grupo havia fugido com US$ 40 milhões (o equivalente a mais de R$ 120 milhões). O chefe de investigações de delitos da Polícia Nacional em Alto Paraná, Arsênio Correa, disse, porém, que os valores ainda estão sendo contabilizados.

Até o início da tarde, nenhum suspeito havia sido identificado ou preso.

Brasileiros

Em entrevista à radio ABC Cardinal, o ministro do Interior Lorenzo Lezcano afirmou que os assaltantes eram brasileiros. Segundo ele, a maioria dos carros usada no assalto tinha placa do Brasil, e uma vítima relatou que ouviu os criminosos falando em português.

Lezcano disse ainda que as autoridades paraguaias tinham a informação de que um assalto poderia ocorrer no país, mas não sabiam “a hora, o lugar, nem o objetivo”. No início do mês, ladrões levaram cerca de R$ 600 mil de um carro-forte assaltado em Hernandarias.

Conforme o jornal “ABC Color”, este é possivelmente o maior assalto da história do país. Vídeos divulgados pelo jornal mostram fumaça após explosões e carros incendiados na cidade. Clique aqui para assistir.

Segurança

Por causa do assalto, a polícia brasileira reforçou o policiamento na região da fronteira caso os ladrões decidissem fugir para o Brasil, mas eles seguiram em direção à vizinha Hernandarias, no lado paraguaio.

A prefeitura de Ciudad del Este informou que pelo menos nove escolas da região central da cidade tiveram as aulas suspensas pela manhã, para garantir a segurança dos estudantes e funcionários. O comércio de importados está funcionando normalmente.

Representantes da Prosegur disseram que por enquanto não devem se pronunciar sobre o assalto.

Com informações de G1 Paraná


  


Comentários

ACESSAR SUA CONTA PARA COMENTAR    ou   CADASTRE-SE

Comente esta notícia

Ao enviar seu comentário você concorda com os Termos de Uso deste espaço.


 
Facebook Twitter WhatsApp