POLICIAL

PF e Receita miram esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas em cinco estados incluindo o Paraná

Investigações tiveram como foco um grupo criminoso que utilizava contas bancárias de várias empresas

Paraná, Geral
Operação Hammer-on | 15/08/2017 09h38

(Foto: Reprodução/ G1 )

Dezenove pessoas foram presas em uma operação da Polícia Federal (PF), em conjunto com a Receita Federal, contra um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que movimentou ilegalmente R$ 5,7 bilhões.

Ao todo, 153 mandados foram expedidos em cidades do Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo.

Um dos mandados de prisão preventiva é contra dono da casa de câmbio Safira. Taiwan mais dois homens foram presos temporariamente e atuam na casa de câmbio Atlas. Os três foram presos em Foz. Os nomes dos outros alvos não foram divulgados.

Segundo a PF, as investigações começaram em 2015 e tiveram como foco um grupo criminoso composto de cinco núcleos interdependentes que utilizavam contas bancárias de várias empresas, em geral, fantasmas, para receber valores de pessoas físicas e jurídicas interessadas em adquirir mercadorias, drogas e cigarros provenientes do exterior, especialmente do Paraguai.

As empresas controladas por essa organização criminosa movimentaram os mais de R$ 5 bilhões entre 2012 e 2016, ainda de acordo com a Polícia Federal.

Dos 153 mandados, dois são de prisão preventiva, 17 são de prisão temporária e 53 são de condução coercitiva, que é quando a pessoa é levada para prestar depoimento, além de 82 de busca e apreensão.

As ordens estão sendo cumpridas em Foz do Iguaçu, Curitiba, Almirante Tamandaré, Piraquara, São José do Pinhais, Assis Chateaubriand e Renascença, no Paraná; em Itapema, Balneário Camboriú e São Miguel do Oeste, em Santa Catarina; em Vitória, Serra e Vila Velha, no Espírito Santo; em Guarulhos e Franca, em São Paulo, e em Uberlândia, em Minas Gerais.

A ação foi batizada de Operação Hammer-on e conta com a participação de mais de 300 policiais e 45 servidores da Receita Federal.

Além de lavagem de dinheiro e evasão de divisas, a ação também investiga os crimes de organização criminosa, gestão temerária, operação irregular de instituição financeira e uso de documento falso.

O dinheiro ilícito

O dinheiro ilegal era creditado nas contas das empresas controladas pela organização criminosa e, em seguida, enviado para o exterior de duas maneiras, segundo a PF.

1ª: usando o sistema internacional de compensação paralelo, sem registro nos órgãos oficiais, mais conhecido como operações dólar-cabo.

2ª: por intermédio de ordens de pagamento internacionais emitidas por algumas instituições financeiras brasileiras, duas destas já liquidadas pelo Banco Central. Essas ordens de pagamento eram realizadas com base em contratos de câmbio manifestamente fraudulentos, celebrados com empresas “fantasmas” que nem sequer possuíam habilitação para operar no comércio exterior.

O nome da operação

O nome Hammer-on faz referência a uma técnica usada em instrumentos de corda para ligar duas notas musicais com uma mesma mão. Fazendo-se novamente referência à teoria musical, na operação Hammer-on, numa só toada, “com uma só mão”, ligaram-se duas “notas musicais” (intermediários e demandantes).

A ação é um desdobramento das operações Sustenido e Bemol que, na teoria musical, são notas intermediárias entre outras duas notas. Essas duas operações foram deflagradas pela Polícia Federal e pela Receita Federal de Foz do Iguaçu, respectivamente, em 2014 e 2015

Com informações de G1 Paraná


  


Comentários

ACESSAR SUA CONTA PARA COMENTAR    ou   CADASTRE-SE

Comente esta notícia

Ao enviar seu comentário você concorda com os Termos de Uso deste espaço.


 
Facebook Twitter WhatsApp