POLÍTICA

Rondonenses sem atendimento médico em razão de recessos levam Arion a exigir providências

Reclamações de rondonenses que não conseguiram atendimento médico e nem mesmo medicamentos na Farmácia Básica em razão de recessos prolongados levaram os vereadores Arion Nasihgil e Josoé Pedralli a questionar a administração municipal

Mal. Cândido Rondon
legislativo | 07/11/2017 17h20

Quem buscou atendimento médico em grande parte das Unidades de Saúde de Marechal Cândido Rondon na última semana se deparou com as portas fechadas. A mesma situação foi vivenciada por quem precisou de medicamentos da Farmácia Básica no período da tarde.

Isto porque, além das paralisações em virtude dos feriados de 31 de Outubro e 02 de Novembro, a Prefeitura Municipal decretou recesso nos dias 1º e 03 de Novembro, estendendo a paralisação também nestas datas, inclusive para as atividades da rede pública de saúde. Apenas a Unidade Básica de Saúde da Vila Gaúcha funcionou na Quarta-feira (1º), sendo que todas as demais permaneceram fechadas praticamente durante toda a semana, funcionando apenas a Unidade de Saúde 24 Horas e o Hospital Municipal. A Farmácia Básica funcionou apenas no período da manhã na Quarta (1º) e na Sexta-feira (03).

Os fechamentos geraram revolta em muitos rondonenses e foram criticados nas redes sociais. Em resposta, o vereador Arion Nasihgil, em conjunto com o vereador Josoé Pedralli, apresentaram requerimento na sessão desta semana da Câmara Municipal questionando o Poder Executivo sobre os fechamentos.

Arion e Pedralli questionam, entre outros itens: quais foram os horários de atendimento destes setores no período; com qual fundamento estas unidades foram fechadas em dias que não coincidiam com feriados; se houve plantão de atendimento para os pacientes da rede pública de saúde que precisaram de medicamentos; e se as salas de vacinas e o setor de epidemiologia funcionaram durante os períodos de recesso. Além disso, os vereadores querem saber se houve pagamento de horas extras para os servidores que trabalharam no Hospital Municipal Dr. Cruzatti e na Unidade de Saúde 24 Horas nos recessos; se o Executivo Municipal pode informar se nos anos anteriores houve o mesmo fechamento nos períodos citados; e se os fechamentos nos recessos foram amplamente divulgados na imprensa.

Para Arion, “o fato da Farmácia Básica não atender 24h por dia já é um absurdo, agora, fechá-la além dos feriados e finais de semana, também nos recessos, é zombar da cara da população que depende da saúde pública”. “Saúde não pode parar”, complementa o vereador.

“Não podemos aceitar pessoas precisando de atendimento médico e encontrando as unidades fechadas, por uma simples determinação do Prefeito, sem se preocupar com o bem-estar do povo. Doença não escolhe hora para aparecer”, finalizou Pedralli.

Com informações de Vereador Arion Nasihgil


  


Comentários

ACESSAR SUA CONTA PARA COMENTAR    ou   CADASTRE-SE

Comente esta notícia

Ao enviar seu comentário você concorda com os Termos de Uso deste espaço.


 
Facebook Twitter WhatsApp