COTIDIANO

Saúde de Quatro Pontes resgata o “teste da mãezinha”

Com teste, gestantes têm o direito de realizar gratuitamente teste para diagnóstico precoce de hemoglobinopatias, como a Doença Falciforme e a Talassemia Major, assim como o tratamento dos casos identificados

Quatro Pontes
Saúde | 22/11/2017 17h15

O Governo do Município de Quatro Pontes, em parceria com a Secretaria Municipal do Centro de Saúde, realizou na última segunda-feira (20) o primeiro “Teste da Mãezinha”. O Programa de Prevenção das Hemoglobinopatias em Gestantes no Paraná (PPHG) é coordenado pela Secretaria de Estado da Saúde (SESA/PR) e faz parte da Rede “Mãe Paranaense”, um conjunto de ações voltadas à atenção e cuidado da gestante e da criança durante o primeiro ano de vida. Iniciado em maio de 2012, o Programa é viabilizado tecnicamente pela FEPE e realizado nas Unidades de Saúde Municipais.

O Secretário Municipal de Saúde, Marco Antônio Wickert, assinou o contrato de viabilização com a FEPE para poderem efetuar a realização do “Teste da Mãezinha” no município de Quatro Pontes. O secretário lamenta pois de acordo com ele “Esse exame preventivo de hemoglobinopatias poderia estar sendo realizado desde 2013, quando o estado, juntamente com a FEPE, enviou os contratos de viabilização aos municípios e que infelizmente no nosso município não foi aderido.”

Max pondera dizendo que “o mais importante é olharmos pra frente e tentarmos melhorar cada vez mais as ações da saúde, começando na gestação, pois o teste da mãezinha não tem custo para o município e através de uma simples gota de sangue na ponta do dedo pode fazer a diferença no acompanhamento preventivo das alterações que podem ocorrer na gestação provocada pela hemoglobinopatia.”

Por meio do PPHG, mais conhecido como “Teste da Mãezinha”, as gestantes têm o direito de realizar gratuitamente o teste para diagnóstico precoce de hemoglobinopatias, como a Doença Falciforme e a Talassemia Major, assim como o tratamento dos casos identificados. Mulheres com essas patologias podem apresentar uma gestação de risco com crises de dor, infecções e parto prematuro. O diagnóstico e tratamento precoces, neste caso, têm por intuito garantir mais segurança tanto à gestante, quanto ao feto e ao recém-nascido.

Os sintomas são: crises de dor, anemia crônica (por toda a vida), cansaço, risco maior de infecções e Icterícia, mais conhecido como "amarelão"

Na gestante com doença falciforme existe um risco maior de complicações que podem afetar a saúde da mãe e do bebê. Crises de dor ocorrem com maior frequência e/ou intensidade; doenças no coração e rins podem surgir ou piorar, e existe risco maior de parto prematuro e do bebê nascer com baixo peso. Algumas mulheres não apresentam alterações na gravidez, mas se surgirem podem ser tratadas. É importante salientar que o acompanhamento deve ser realizado pela equipe de saúde, sem interrupção. A gestante deve ser avaliada frequentemente pelo médico obstetra durante o pré-natal, além do hematologista e outros profissionais de saúde.

A quatropontense Giliani Paetzold Lunkes foi a 1ª gestante a realizar o Teste da Mãezinha no município com a técnica de enfermagem Letícia; Aldiva – técnica de enfermagem; Diani enfermeira do ESF e Gislaine, enfermeira responsável pelo Teste da Mãezinha.

O Teste da Mãezinha está sendo realizado no Centro de Saúde de Quatro Pontes sob responsabilidade da enfermeira Gislaine e realizado pela técnica de enfermagem Letícia. O trabalho com as gestantes é realizado pela enfermeira Diani da Estratégia de Saúde da Família, que atua na promoção e prevenção das ações de saúde da população quatropontense.

A enfermeira Gislaine cita: “TODAS as Gestantes podem dirigir-se ao Centro de Saúde para realizar o Teste da Mãezinha, não importando o local em que realizaram o pré-natal (convênio ou particular). Todas as Gestantes têm o direito ao exame gratuito. O exame será realizado todos os dias conforme a procura e preferencialmente no primeiro trimestre de gestação”. 

Com informações de Assessoria


  


Comentários

ACESSAR SUA CONTA PARA COMENTAR    ou   CADASTRE-SE

Comente esta notícia

Ao enviar seu comentário você concorda com os Termos de Uso deste espaço.


 
Facebook Twitter WhatsApp