ESPORTES

Etíope Dawitt Admasu arranca nos últimos 5km e é bicampeão da São Silvestre

No feminino, queniana Flomena Cheyech domina maior parte dos 15km e cruza em primeiro com larga vantagem. Brasil não vai ao pódio

Geral
São Silvestre | 31/12/2017 10h36

Dawitt Admasu é campeão da São Silvestre 2017 (Foto: Reprodução )

Em um dia nublado e com chuva em São Paulo, o etíope Dawitt Admasu e a queniana Flomena Cheyech foram os mais rápidos entre os 30 mil participantes na 93ª edição da São Silvestre, neste domingo. Admasu arrancou nos últimos 5km para levar seu segundo título na tradicional prova brasileira de 15km, enquanto Flomena dominou quase todo o percurso e cruzou a linha de chegada em primeiro, após ter batido na trave em 2016. Nenhum atleta do Brasil conseguiu chegar ao pódio.

Nos 5km quilômetros de prova, um choque entre dois corredores do primeiro pelotão mudou os rumos da disputa. O queniano Edwin Rotich e o brasileiro Wellington Bezerra, o Cipó, estavam no grupo principal quando se chocaram e caíram no chão. Apesar do susto, os dois se recuperaram e conseguiram alcançar novamente os líderes. Wellington, no entanto, não conseguiu manter o ritmo por muito tempo e ficou para trás.

O queniano Edwin foi guerreiro e aguentou o ritmo forte do Dawitt Admasu até os 10km, mas também não conseguiu ir além. O atleta da Etiópia, que já havia sido campeão em 2014, acelerou nos 5km finais de prova e conquistou o bicampeonato da São Silvestre, com o tempo de 44m15s. O etíope Belay Bezabh terminou em segundo lugar (44m33s), seguido pelo queniano bicampeão da prova Edwin Rotich (44m43s).

O Brasil ficou longe do pódio no masculino e no feminino. O brasileiro mais bem colocado foi Ederson Vilela, em 11º lugar. No feminino, a melhor foi Joziane Cardoso, em 10º. O último do país a vencer foi Marilson Gomes dos Santos, em 2010. No feminino, Lucélia Peres foi a última brasileira campeã, em 2006, ano que teve dobradinha dos anfitriões com Franck Caldeira.

Queniana domina com tranquilidade e leva o título

O início da disputa feminina poderia propor que a briga seria apertada. Até os primeiros 5km de prova, um grupo grande mantinha a liderança. Mas, na metade da prova, a queniana Flomena Cheyech apertou os passos e começou construir sua vitória. Depois de ser vice em 2016, desta vez, Flomena não quis perder a chance de subir no alto do pódio e foi se distanciando cada vez mais das rivais até cruzar a linha de chegada em primeiro com larga vantagem, em 50m18s.

As segunda e terceira colocadas, Sintayehu Hailemichael e Birhane Dibaba, as duas da Etiópia, chegaram quase juntas, em 50m55s e 50m77s.

Com informações de G1


  


Comentários

ACESSAR SUA CONTA PARA COMENTAR    ou   CADASTRE-SE

Comente esta notícia

Ao enviar seu comentário você concorda com os Termos de Uso deste espaço.


 
Facebook Twitter WhatsApp