POLÍTICA

Cristiane Brasil é investigada por se associar ao tráfico em campanha de 2010

A investigação teria sido aberta pela Polícia Civil após denúncias encaminhadas por e-mail à Ouvidoria da corporação

Geral
ministra do Trabalho | 04/02/2018 10h42

Cristiane Brasil é investigada por se associar ao tráfico em campanha de 2010 (Foto: Reprodução Youtube )

A deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) é alvo e de uma investigação policial que apura o envolvimento dela com o tráfico de drogas durante a campanha eleitoral de 2010. A deputada que também foi nomeada ministra do Trabalho – mas não assumiu a pasta por conta de denúncias a respeito do não cumprimento da legislação trabalhista com a contratação de empregados em assinar a carteira -, teria dado dinheiro a traficantes do bairro Cavalcanti, na parte pobre da zona norte do Rio de Janeiro e uma das bases eleitorais da deputada. As informações são do jornal O Estado de São Paulo deste sábado, 3 de fevereiro.

Ainda segundo a reportagem, o inquérito foi enviado à Procuradoria-Geral da República, em Brasília, porque Cristiane tem foro privilegiado. O inquérito apura suspeitas de tráfico de drogas e associação para o tráfico dela e também do deputado estadual Marcus Vinicius (PTB), ex-cunhado da parlamentar, e três assessores dela na época.

A investigação teria sido aberta pela Polícia Civil após denúncias encaminhadas por e-mail à Ouvidoria da corporação.

De acordo com a denúncia, Cristiane, na época vereadora licenciada estava à frente de uma secretaria municipal do Rio na gestão do Eduardo Paes (PMDB), e seus assessores teriam pagado aos traficantes para terem direito exclusivo de fazer campanha na região. Ela não se candidatou em 2010, mas teria trabalhado para eleger o então ex-cunhado. Há suspeita de que líderes comunitários teriam sido constrangifos pelos criminosos para fazerem campanha eleitoral.Cristiane e Vinicius negam as acusações.

Com informações de Bem Paraná


  


Comentários

ACESSAR SUA CONTA PARA COMENTAR    ou   CADASTRE-SE

Comente esta notícia

Ao enviar seu comentário você concorda com os Termos de Uso deste espaço.


 
Facebook Twitter WhatsApp