POLÍTICA

Bolsonaro passa mal e é internado no RJ

O candidato foi denunciado por racismo e horas depois deu entrada no Hospital Central do exército

Geral
DENÚNCIA | 14/04/2018 10h39

Jair Bolsonaro foi denunciado por uso de expressões discriminatórias contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e homossexuais em palestra há um ano em São Paulo (Foto: Arquivo//Agência Brasil )

A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou nesta sexta-feira (13) o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) ao Supremo Tribunal Federal (STF) por crime de racismo.

Além da condenação, a procuradoria pede que o deputado seja obrigado a pagar R$ 400 mil por danos morais coletivos.

De acordo com a denúncia, durante uma palestra no Clube Hebraica, em abril do ano passado, Bolsonaro usou expressões discriminatórias contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e homossexuais.

O filho de Bolsonaro, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) também foi denunciado, mas pela suposta agressão a uma jornalista.

No entanto, a PGR ofereceu a este parlamentar proposta de transação penal, na qual ele se comprometeria a indenizar a vítima em 40 salários mínimos e a pagar pensão mensal a uma entidade de combate à violência doméstica, além de prestar serviços à comunidade.

A reportagem tenta contato com a assessoria dos deputados para que eles possam se manifestar sobre a denúncia.

Internação

Horas depois de ser divulgada a denúncia da PGR contra o pré-candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro deu entrada no Hospital Central do Exército, no Rio de Janeiro, depois de passar mal no aeroporto de Roraima, onde se reuniu com lideranças locais.

A assessoria do parlamentar afirma que o deputado passou mal por causa do intenso ritmo de trabalho. Antes, ele passou quase uma hora fazendo carreata em Boa Vista sob sol forte.

Com informações de Bem Paraná


  


Comentários

ACESSAR SUA CONTA PARA COMENTAR    ou   CADASTRE-SE

Comente esta notícia

Ao enviar seu comentário você concorda com os Termos de Uso deste espaço.


 
Facebook Twitter WhatsApp