COTIDIANO

Projeto quer proibir alguns usos de plásticos para diminuir a poluição

O texto proíbe a fabricação, a importação, a distribuição e a venda de sacolas plásticas

Geral
Projeto de Lei | 14/05/2019 09h00

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, cerca de 1,5 milhão de sacolas plásticas são distribuídas por hora no Brasil (Foto: Reprodução )

Um Projeto de Lei que tramita no Senado quer proibir a utilização de plástico em sacolas de supermercado, utensílios e cosméticos. Seriam permitidos apenas os materiais totalmente biodegradáveis.

A intenção é diminuir o consumo de plástico, pois quando descartado de maneira incorreta ele traz consequências irreversíveis para o meio ambiente.

O texto proíbe a fabricação, a importação, a distribuição e a venda de sacolas plásticas para transportar mercadorias e utensílios plásticos descartáveis para consumos de alimentos e bebidas e de cosméticos que contenham micropartículas de plástico em sua fórmula.

Com a proibição, as alternativas vão ser carregar os produtos em caixas ou em sacolas reutilizáveis. Ou seja, os consumidores de todo o país terão que se acostumar com o novo hábito na hora de comprar.

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, cerca de 1,5 milhão de sacolas plásticas são distribuídas por hora no Brasil. O resultado é uma grande quantidade de lixo plástico, muitas vezes descartado de maneira incorreta no meio ambiente.

Todos os plásticos demoram muito anos para serem degradados sozinhos, alguns ficam 500 anos no meio ambiente.

Experiências semelhantes já foram aplicadas em outros países, com resultados significativos. A Austrália reduziu o consumo de sacolas plásticas em 90% no ano passado. Na China, onde 3 bilhões de sacolas descartáveis eram usadas por dia, a distribuição delas foi totalmente proibida em 2008. A Irlanda instituiu em 2002 a cobrança por sacolas plásticas e reduziu o consumo em 97%.

Com informações de Agência Brasil


  


Comentários

ACESSAR SUA CONTA PARA COMENTAR    ou   CADASTRE-SE

Comente esta notícia

Ao enviar seu comentário você concorda com os Termos de Uso deste espaço.


 
Facebook Twitter WhatsApp