POLICIAL

Gaeco cumpre mandados de prisão preventiva contra vereador e investigados em Marechal Rondon

A operação recebeu o nome Pula Pula em alusão ao vereador que costumava mudar de partido

Mal. Cândido Rondon
Operação Pula Pula | 15/05/2019 11h01

A investigação do Gaeco teve início em maio de 2018 e apura crimes praticados por organização criminosa contra a administração pública (Foto: Fernanda Bourscheidt/AquiAgora.net )

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Paraná cumpre na manhã desta quarta-feira (15), cinco mandados de prisão preventiva e vinte mandados de busca e apreensão em Marechal Cândido Rondon. Entre os presos, estão o vereador Nilson Hachmann e seu filho. Também foi cumprido um mandado de suspensão do exercício do cargo contra uma servidora do Município. Os mandados foram cumpridas em oito residências, nove empresas, um escritório contábil, no setor de licitações da Prefeitura e no gabinete do vereador na Câmara Municipal.

Foram presos quatro pessoas, um mandado não foi cumprindo pois o denúnciado está em viagem. Este tem agora um pazo legal para se apresentar para não ser considerado foragido. Os presos foram encaminhados para Cascavel. 

A investigação do Gaeco teve início em maio de 2018 e apura crimes praticados por organização criminosa contra a administração pública. O vereador era dono de empresas, registradas em nome de terceiros, que participavam de licitações do Município, burlando assim a proibição de contratação com o setor público.

As empresas atuam em áreas diversas, como obras públicas (pavimentação rural), prestação de serviços e transporte escolar.

Coletiva de impressa com Dr. Tiago que comandou a operação "Pula Pula" que prendeu vereador rondonense. Na entrevista ele conta detalhes da operação policial:


  


Comentários

ACESSAR SUA CONTA PARA COMENTAR    ou   CADASTRE-SE

Comente esta notícia

Ao enviar seu comentário você concorda com os Termos de Uso deste espaço.


 
Facebook Twitter WhatsApp