COTIDIANO

Paraná vai ser a redenção da suinocultura no Brasil

O Estado poderá triplicar a exportação de carne suína e alcançar mercados exigentes nos quais atualmente não entra

Paraná
Livre de aftosa | 22/05/2019 17h38

O engenheiro agrônomo e vice-presidente do POD, Elias Zydek, informa sobre os avanços possíveis com o fim da vacinação contra a aftosa no Paraná (Foto: CACIOPAR )

O reconhecimento do Paraná como área livre de febre aftosa sem vacinação deverá trazer grande impacto à economia do Estado e consequentemente do País. “Seremos a redenção da suinocultura nacional”, diz o vice-presidente do Programa Oeste em Desenvolvimento, Elias Zydek.

O Estado poderá triplicar a exportação de carne suína e alcançar mercados exigentes nos quais atualmente não entra. “Essa, sem dúvida, é uma notícia que precisa ser comemorada”, disse Zydek em recente encontro com empresários da Caciopar em Nova Santa Rosa.

Desde 2006 o Paraná não tem incidência do vírus causador da febre em seus plantéis. Um rigoroso cronograma de sanidade tem sido obedecido e a previsão era de o reconhecimento vir somente daqui a dois anos. “Fizemos um trabalho de base para mostrar que a antecipação poderia ocorrer, com benefícios comerciais ao País”. Zydek lembra que o aval para o Estado parar de vacinar foi dado em encontro no dia 22 de abril, em Curitiba, em reunião do Bloco V do Plano Estratégico do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa.

A antecipação do cronograma resulta de um trabalho articulado da Caciopar, do POD e de outros entes, que incluíram o assunto como prioridade em sua pauta de ações. Ao citar os mercados de grãos e carnes, e sua relação com o conceito de aldeia global onde tudo está conectado, Elias Zydek disse que nesse mercado interligado há regras que precisam ser atentamente observadas e cumpridas. O Paraná segue um rigoroso plano sanitário, atento principalmente à peste suína, febre aftosa e gripe aviária, doenças condicionantes e limitantes de mercados. Se houver a confirmação de registros, então a região afetada estará proibida de negociar com o mundo.

 2,6 milhões/t

Em função do status de livre de aftosa com vacinação, o Paraná não tem acesso a exportações a países como Japão, Coreia, México e outros, que compram 2,6 milhões de toneladas de carne suína por ano. Esses países representam 65% do mercado comprador dessa proteína.

Além de exigentes, eles remuneram com valores até 20% maiores em comparação aos periféricos, alguns dos países onde o Paraná chega com as suas 100 mil toneladas vendidas anualmente. O Brasil exporta 630 mil toneladas de carne de porco por ano. O único estado da Federação com reconhecimento de aftosa sem vacinação é Santa Catarina.

 Maior produtor

Com o novo status sanitário, as metas dos criadores e empresas exportadoras do Paraná são ambiciosas. Uma delas é tornar o Estado o maior produtor nacional de carne suína. Hoje, ele é o segundo com 18% do total da produção, atrás apenas de Santa Catarina, que responde por 21%. Em terceiro aparece o Rio Grande do Sul, com 14%. Juntos, os três estados da região Sul produzem o equivalente a 53% da produção brasileira de carne de porco. “E temos totais condições de assumir a liderança em pouco tempo”, conforme Elias Zydek.

Para confirmar o novo status, o Paraná terá de cumprir um ritual longo e sistemático. Será preciso, antes de efetivar novos contratos, aguardar um ano sem vacinação, bem como a realização de inúmeros testes de sorologia. Serão feitas auditorias para a verificação de protocolos e as fronteiras deverão estar cuidadosamente protegidas.

Um fundo privado foi criado para a construção de guaritas em pontos estratégicos do território. Ele já conta com R$ 4,5 milhões para essa finalidade. O governo estadual também precisará garantir contrapartidas, entre elas a contratação de mais profissionais para desenvolver toda a vigilância necessária.

Os municípios também terão um papel determinante a cumprir, começando pela ativação, reativação ou fortalecimento dos seus conselhos de sanidade animal. Hoje, a região Oeste conta com 18, mas a meta é chegar a 30 até 2020.

Um aspecto a ser destacado, conforme Elias Zydek, é que o Paraná é o único estado brasileiro que conta com uma lei de biossegurança para a suinocultura. Caso tudo corra bem, o Estado poderá triplicar as suas exportações de suínos, fortalecendo propriedades rurais, injetando mais recursos na economia e abrindo novas oportunidades de emprego e renda.

Com informações de Caciopar


  


Comentários

ACESSAR SUA CONTA PARA COMENTAR    ou   CADASTRE-SE

Comente esta notícia

Ao enviar seu comentário você concorda com os Termos de Uso deste espaço.


 
Facebook Twitter WhatsApp